quarta-feira, 3 de agosto de 2016

GOVERNO DE MINAS GERAIS CRIA PROJETO INÉDITO DE INTEGRAÇÃO AÉREA


O Pirma usará aviões monotores, com baixo custo operacional, para interligar os territórios mineiros


Codemig e Setop promovem a interligação de 12 municípios com a capital numa iniciativa para estimular o desenvolvimento econômico nos 17 territórios

O Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), está iniciando a implementação o Projeto de Integração Regional de Minas Gerais - Modal Aéreo (Pirma).

A partir da segunda quinzena de agosto os 12 municípios da primeira fase do projeto - Curvelo, Diamantina, Divinópolis, Juiz de Fora, Muriaé, Patos de Minas, Ponte Nova, São João del Rei, Teófilo Otoni, Ubá, Varginha e Viçosa - passarão a contar com vôos fretados para Belo Horizonte.

Essa iniciativa inédita responde às diretrizes estratégicas do plano de governo de levar ações de desenvolvimento econômico aos diversos territórios de Minas Gerais.

Para tornar viável a interligação aérea do interior com Belo Horizonte, a Codemig realizou pesquisa de mercado ouvindo 2.100 pessoas em 31 municípios, verificou a aceitação do emprego de aviões monomotores de baixo custo operacional e assumiu o risco econômico do empreendimento, afretando aeronaves para o transporte não regular de passageiros e cargas.

A vencedora da licitação pública na modalidade de Ata de Registro de Preços foi a empresa Two Taxi Aéreo Ltda., que opera desde 2001 aviões Cessna Grand Caravan 208 B, homologados atualmente pela Anac para o transporte de nove passageiros.

Para a venda dos assentos de cada vôo, a Codemig licitou a operação de e-commerce. Os vouchers poderão ser adquiridos por meio de aplicativos para tablets e smartphones ou pelo site www.voeminasgerais.com.br.

Na primeira fase do Pirma serão 60 vôos semanais ligando o interior à capital. Cada vôo cobrirá em média 200 km, terá duração de 40 minutos e custará cerca de R$ 300,00 por passageiro.

As rotas e freqüências dos vôos foram definidas preferencialmente para cidades não atendidas pela aviação regular, tomando-se como referência a demanda de passageiros em função do preço do voucher.

Em uma segunda etapa, confirmada a sustentabilidade técnica e econômica do projeto, serão incluídas novas localidades, além de aumentada a frequência dos voos.

O presidente da Codemig, Marco Antônio Castello Branco, destaca o papel de fomento da economia através do modal aéreo. “Nosso objetivo não é competir com a aviação comercial tradicional, mas criar um modelo sólido e viável para complementá-la, usando empresas privadas e a infraestrutura aeroportuária já instalada”, diz.

"Tenho a esperança de que, conectando uma oferta de transporte aéreo eficiente e de baixo custo a uma demanda de passageiros ansiosa para ter acesso ao serviço, o Pirma alcançará uma operação sustentável, com pouco ou nenhum subsídio econômico da Codemig. Ao encurtar distâncias, o transporte aéreo estimula negócios e dinamiza a economia de toda uma região. A aviação é sempre um fator de transformação de pessoas e de territórios”. Disse Marco Antônio Castello Branco, presidente da Codemig

Segundo o secretário de Estado de Turismo de Minas Gerais, Ricardo Faria, o Pirma é de extrema importância para o incremento das atrações turísticas de Minas Gerais.

“Acreditamos que essa iniciativa da Codemig irá fomentar o turismo em Minas Gerais, principalmente nas áreas de negócios e lazer. Os turistas serão beneficiados com ampla facilidade de mobilidade e, conseqüentemente, pelo intercâmbio entre as regiões. Além disso, haverá crescimento considerável na receita ligada diretamente ao turismo”, ressalta Faria.

O projeto

O projeto visa fomentar os negócios regionais, desenvolver o turismo e facilitar o deslocamento de moradores do interior a Belo Horizonte, permitindo que tenham acesso rápido a eventos e serviços disponíveis na capital.

Para Minas Gerais, que possui uma área total de quase 600 mil quilômetros quadrados, o investimento na regionalização por meio do transporte aéreo é estratégico e indispensável para atender à meta de redução das desigualdades nos 17 territórios de desenvolvimento criados pelo Governo do Estado.

Segundo o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Murilo Valadares, o incremento de investimentos na infraestrutura dos Aeroportos Regionais, tanto em instalações físicas quanto em equipamentos, é necessário e requer ações imediatas.

“A alavancagem de investimentos em infraestrutura é fundamental para que o Estado de Minas Gerais que, há mais de uma década permanece estagnado em sua participação na composição do Produto Interno Brasileiro (PIB), volte a crescer, fixando empresas e mão-de-obra qualificada. Isso passa, dentre outras medidas necessárias, pela reestruturação da rede de aviação regional, com expansão da oferta de transporte”, afirma Valadares.

Aeroportos

Segundo informações da Agência Nacional de Aviação Civil, Minas Gerais conta atualmente com 121 aeródromos privados e 86 públicos. A administração, manutenção e exploração dos aeródromos públicos são atribuições da União.

Porém, a Setop vem trabalhando em processos de delegação União–Estado, possibilitando investimentos do Governo Estadual em reformas e melhorias, e posterior delegação aos municípios ou empresas, para operação e manutenção.

Esse é o caso do Aeroporto do Vale do Aço. Após a assinatura de um convênio de delegação da União para o Estado, o aeroporto está em processo licitatório para concessão, no mesmo modelo adotado para o Aeroporto Regional da Zona da Mata.


SETUR-MG DIVULGA LISTAGEM DOS MUNICÍPIOS PARTICIPANTES DA POLÍTICA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

A nova configuração do Mapa de Regionalização do Turismo em Minas Gerais.

A Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais (SETUR-MG), em atendimento ao art. 21 da Resolução SETES nº 45, de 05 de novembro de 2014, publicou, no mês de julho/2016, no Diário Oficial de Minas Gerais, a listagem dos municípios participantes da Política de Regionalização do Turismo em Minas Gerais.

Esta publicação será considerada a listagem oficial do mapa de regionalização do turismo de Minas Gerais para quaisquer fins.

De acordo com a listagem publicada, Minas Gerais possui, atualmente, 457 municípios participantes da Política de Regionalização do Turismo, os quais totalizam o número de 45 circuitos turísticos.

A Política de Regionalização do Turismo

A regionalização é hoje a diretriz federal para a gestão do turismo, adotada em Minas Gerais com o objetivo de construir um modelo de organização pública que visa à descentralização, com base nos princípios da flexibilidade, articulação e mobilização.

Cabe aos Circuitos Turísticos o importante papel de articular as entidades públicas, privadas e do terceiro setor em sua região e municípios de abrangência e atuação para contribuir com o desenvolvimento econômico e social das regiões, por meio da atividade turística.

Para a lista dos municípios participantes clique no link abaixo:


Fonte: SETUR - Imprensa

4ª CAMINHADA ECOLÓGICA DE BELISÁRIO


Veja cartaz abaixo:



MIRADOURO: 29ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E 4ª EXPOSIÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR


Veja cartaz abaixo:



24ª FESTA DO ARROZ DA VILA VARDIERO

Veja cartaz abaixo: 


segunda-feira, 25 de julho de 2016

VOLTA DO BRIGADEIRO NO DESAFIO DOS 200










Ciclistas realizam ‘Desafio dos 200’ percorrendo volta no entorno da Serra do Brigadeiro

Nesse final de semana três ciclistas realizaram o ‘Desafio dos 200’ na Serra do Brigadeiro. Foram percorridas estradas vicinais, passando por poucos trechos asfaltados. Os participantes utilizaram GPS para validar o “Desafio Individual por Traçado”.

Mas além do desafio e da superação os ciclistas ficaram maravilhados com a beleza cênica, a hospitalidade e a boa vontade das pessoas da região.

Eduardo Almeida descreve a aventura: “Um terreno que é a cara do MTB, com subidas intermináveis, descidas muito técnicas, estradas com rolagem perfeita, vistas de montanhas, passagens em água e trechos de velocidade”.


Sergio Barata, praticante de mountain bike foi o idealizador da volta do brigadeiro. A idéia casou perfeitamente com o projeto que inclui o mountain bike e que está sendo desenvolvido pela ABRIGA - Associação dos Municípios do Circuito da Serra do Brigadeiro, coordenado por Marco Antônio Barros. Dentro de um projeto mais amplo a rota contempla quatro modalidades: Cavalgada, Trekking, Mountain Bike / Cicloturismo e Jeep Tour.

Fotos cedidas por Eduardo Almeida.